Fechar
Domingo, 28 de fevereiro de 2021
Domingo, 28 de fevereiro de 2021
Eleições 28/11/2020

PG decide entre Elizabeth e Mabel para administrar a cidade pelos próximos 4 anos

Em um segundo turno histórico entre duas mulheres, caberá aos ponta-grossenses decidirem nas urnas quem será a primeira prefeita de Ponta Grossa

Ouça a notícia Tempo de leitura aprox. --
PG decide entre Elizabeth e Mabel para administrar a cidade pelos próximos 4 anos

Foram 45 dias de campanha no primeiro turno e mais 15 dias neste segundo turno. Agora, os 239 mil eleitores aptos a votar vao decidir neste domingo (29) quem será a primeira mulher a ocupar o maior cargo eletivo em Ponta Grossa. Professora Elizabeth (PSD) e Mabel Canto (PSC) disputam a preferência do eleitorado para passar a o principal gabinete do Palácio da Ronda.

Perfil Professora Elizabeth 

A professora aposentada Elizabeth Schmidt (PSD) quer se tornar a primeira prefeita da história de Ponta Grossa. Com a experiência de já ter sido eleita vice-prefeita em 2016 e seguir no cargo, Elizabeth também já foi secretária de Cultura e Turismo durante o governo de Pedro Wosgrau, gestora da pasta de Turismo e também Administração e Recursos Humanos durante o governo de Marcelo Rangel. Além disso, Elizabeth também foi candidata a deputada federal em 2014.

Elizabeth tem 69 anos de idade e estreou na vida pública nos anos 2000, quando se candidatou ao cargo de vice-prefeita ao lado de Carlos Tavarnaro. Duas décadas após isso, a professora quer chegar ao mais alto cargo da política ponta-grossense, sendo acompanhada pelo vice na chapa, o Capitão Saulo (também do PSD) - Saulo faz sua estreia na vida pública após fazer carreira na Polícia Militar, comandando projetos de conscientização e educação sobre drogas nas escolas. 

A dupla conta com o apoio incondicional do atual prefeito, Marcelo Rangel (PSDB), do deputado federal e atual secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex (PSD) e do governador do Estado, Ratinho Junior. Elizabeth e Saulo representam uma continuidade da gestão de Marcelo Rangel e tem defendido os avanços conquistados pelo prefeito e propõem uma série de melhorias nas ações da atual gestão. 

Durante a campanha, Elizabeth adotou o mote “vou contigo, professora” e também de “exército do bem” para se referir aos próprios apoiadores. Ao lado de Saulo, a Professora intensificou as ações de rua nos últimos dias para se aproximar da população e buscou, durante toda a campanha, defender os avanços e méritos conquistados nos últimos oito anos. 

O grupo ainda ‘convocou’ Capitão Saulo, um estreante na vida pública, para compor a chapa como vice-prefeito, tendo reiterado apoio de Marcelo Rangel. 

Perfil Mabel Canto

Com apenas 35 anos de idade, Mabel Canto (PSC) acumula experiência e capital político. A advogada ingressou na vida pública em 2018, quando foi eleita a primeira deputada estadual de Ponta Grossa e dos Campos Gerais. Dois anos depois, Mabel disputa o cargo máximo da política princesina, sonhando ser a primeira prefeita eleita na história de Ponta Grossa. 

Para disputar o pleito, Mabel teve que fazer um “aditivo” nos compromissos firmados com a população. Quando se candidatou ao cargo de deputada em 2018, a advogada assinou um documento em cartório dizendo que cumpriria integralmente o mandato. Em 2020, Mabel decidiu disputar o comando da Prefeitura para “representar a população mais humilde”. 

No pleito deste ano, a deputada estadual tem como vice na chapa Pietro Arnaud (PSB), vereador de segundo mandato conhecido pela atuação técnica. A participação de Pietro na chapa também coroa o apoio do deputado federal Aliel Machado (PSB) - a candidatura de Mabel e Pietro é fruto da união de “grupos populares”, comandados por Aliel e Jocelito Canto, ex-prefeito, ex-deputado e pai de Mabel. 

Na Assembleia, Mabel realizou um mandato pautado na austeridade. Desde que foi eleita, a deputada impôs medidas de austeridade, com divulgação de gastos do gabinete e doação de 50% dos próprios salário. Além disso, Mabel sempre defendeu a redução de cargos de comissão, nomeando apenas metade dos cargos comissionados que teria direito.

Mabel fez parte da base do Governo na Assembleia Legislativa até ‘rachar’ com a gestão em uma discussão pública com o líder de Ratinho na Assembleia, Hussein Bakri (PSD). Durante a campanha, Mabel reconheceu a influência do pai, Jocelito, mas buscou construir um discurso próprio ao lado de Pietro. (Com informações do Portal aRede)