Fechar
Sábado, 09 de dezembro de 2023
Sábado, 09 de dezembro de 2023
Ponta Grossa 14/11/2023

PG sedia a etapa regional da Conferência Nacional de Educação 2024

Onze cidades debateram propostas que serão discutidas em Curitiba e Brasília

Ouça a notícia Tempo de leitura aprox. --
PG sedia a etapa regional da Conferência Nacional de Educação 2024

Ponta Grossa recebeu nesta terça (14) os representantes de 11 municípios para participação na etapa regional da Conferência Nacional de Educação (CONAE) 2024. O evento é uma prévia para a etapa estadual, que ocorrerá em dezembro, em Curitiba, e para a etapa nacional, que será em janeiro do próximo ano, em Brasília. A partir deste debate com a sociedade brasileira estão sendo discutidas, ponto a ponto, soluções e inovações para o futuro, com a constituição de um novo Plano Nacional de Educação para o período 2024 – 2034.

A etapa foi organizada pelo Fórum Municipal de Educação de Ponta Grossa, em conjunto com os outros 10 municípios que compõem a área do Núcleo Regional de Educação: Carambeí, Castro, Imbituva, Ipiranga, Ivaí, Palmeira, Piraí do Sul, Porto Amazonas, São João do Triunfo e Tibagi. Os debates, envolvendo sete eixos temáticos, ocorreram no Centro Integrar, Campus Uvaranas da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

A professora Izabel Cristina Moreira, coordenadora do Fórum, avaliou como muito produtivas as discussões realizadas. “Foram muitos debates importantes, esperamos que as discussões sobre os eixos temáticos, que são muito amplos, tragam respostas a muitas questões”, analisa.

“A partir daqui, vamos para a etapa estadual e depois para a nacional, e é importante que saiam daqui e que sejam mantidas propostas e observações que passem pelas demais etapas até o documento final, demonstrando a importância da Educação para a região dos Campos Gerais”, observa.

O pesquisador Carlos Eduardo Sanches fez as primeiras abordagens do tema para estimular o debate. Para ele, o momento reúne uma oportunidade para analisar os últimos anos e projetar o futuro da educação, pensando principalmente nas populações mais vulneráveis.

“Não existe outra perspectiva de garantir uma vida futura melhor para qualquer pessoa, senão por meio da educação. Ela vai abrir as portas para uma cidadania plena, para toda pessoa e todo cidadão. É a partir da possibilidade de frequentar Educação Infantil, Fundamental, o Ensino Médio e acessar o Ensino Superior, que teremos  novas perspectivas de vida para todo mundo, e isso se materializa na medida em que a sociedade brasileira tem a oportunidade de dizer o que quer para o futuro, e essa discussão acontece aqui, no Plano Nacional de Educação, nessa CONAE”.

Avanços

Na avaliação da secretária de Educação de Ponta Grossa, professora Simone Pereira Neves, as discussões que originaram as políticas públicas nos últimos 20 anos ofereceram avanços como o Ensino Fundamental de 9 anos, nas políticas para a educação infantil, a educação em tempo integral, entre outros. Para o próximo plano, ela elenca como itens necessários um maior volume de recursos e avanços para a equidade, a diversidade, a educação especial inclusiva, qualificação profissional e a inovação, entre outros itens.

“Estamos discutindo os eixos e as proposições para os próximos dez anos, e que vão gerar efeitos durante muitas décadas. Nos últimos vinte anos, somos testemunhas da importância da CONAE e dos Planos Nacionais de Educação para o avanço das políticas de educação em nosso país. Como debatedores e especialmente como implementadores dessas políticas, nosso papel neste processo é de extrema relevância para o futuro de nossos municípios”, analisa Simone.

Para Luciana Sleutjes, chefe do Núcleo Regional de Educação de Ponta Grossa, o evento representa uma oportunidade para “garantir os direitos do estudante”. “A CONAE é algo grandioso, que precisa ser discutida em sua base, no que faz sentido para a melhoria da educação como um todo, mas principalmente para o avanço educacional na vida dos nossos estudantes. Fazer com que eles consigam adquirir esse conhecimento, para mudar o seu contexto e, e efetivamente, se libertar”, acrescenta.