Fechar
Domingo, 14 de julho de 2024
Domingo, 14 de julho de 2024
Ponta Grossa 05/06/2023

UEPG lamenta falecimento do jornalista Helcio Kovaleski

Entusiasta da cena artística da região, Helcio deixa um legado na luta pelas políticas culturais do município, sempre atento às produções da UEPG, especialmente nos Festivais Nacional de Teatro (Fenata) e Universitário da Canção (FUC)

Ouça a notícia Tempo de leitura aprox. --
UEPG lamenta falecimento do jornalista Helcio Kovaleski

“Sou um pobre homem da várzea do Jardim Carvalho. Que se tornou rico depois que nasceu Beatriz”. Assim Helcio Luiz Wendler Kovaleski se descrevia em redes sociais. É com tristeza que a Universidade Estadual de Ponta Grossa comunica o falecimento do jornalista, roteirista e dramaturgo, ocorrido nesta segunda-feira (5). Entusiasta da cena artística da região, Helcio deixa um legado na luta pelas políticas culturais do município, sempre atento às produções da UEPG, especialmente nos Festivais Nacional de Teatro (Fenata) e Universitário da Canção (FUC). O falecimento aconteceu em casa, no Jardim Carvalho, deixando a filha Beatriz Ferreira Kovaleski. O sepultamento ocorre nesta terça-feira, às 16h, no Cemitério Santo Antônio. O velório acontece na Capela Funerária Princesa.

“Na Universidade, testemunhamos e agradecemos a contribuição do Hélcio, especialmente para o Fenata, que há pouco completou 50 edições”, lamenta o reitor da UEPG, professor Miguel Sanches Neto. Das edições, muitas tiveram o Hélcio nos bastidores, na plateia e na crítica, de acordo com Miguel. “Foram 58 anos sempre às voltas com novos projetos, marcados pelo entusiasmo ímpar pela arte. Existia no Hélcio aquele brilho característico de quem respira todos os dias, e até o fim, a cultura”.

O curso de Jornalismo da UEPG é velho conhecido de Helcio, que o recebeu como aluno e depois como amigo. “É com grande tristeza e pesar que o curso de Jornalismo soube da notícia do falecimento do nosso colega e amigo Helcio Kovaleski”, lamenta o professor e chefe do Departamento de Jornalismo, Rafael Schoenherr. “Ele tem uma participação e colaboração inestimável não só ao curso de jornalismo, como estudante, mas também como articulador cultural e agende ativo da área cultural de Ponta Grossa. Irá fazer muita falta”, acrescenta.

Helcio contribuiu para a consolidação das políticas culturais do município, foi conselheiro municipal de cultura e representou a microrregião dos Campos Gerais no Conselho Estadual de Cultura. “Tem várias discussões que o Helcio trouxe vindas desse campo e da experiência dele no teatro e em outras áreas culturais, que deixou no curso de Jornalismo para nós professores”. Helcio era um erudito, segundo Rafael, com leitura e capacidade de mobilização teórica invejáveis. “Penso que o Helcio compõe um perfil ímpar de uma pessoa que deixa uma contribuição na área do audiovisual, do teatro, das políticas culturais e do jornalismo”, completa.

Um artista da palavra escrita. Assim era Helcio, especialmente quando o assunto era teatro. Em novembro de 2014, lançou o livro “Festival crítico: uma década escrevendo sobre o Fenata – Festival Nacional de Teatro”, destacado, à época, como o “primeiro livro sobre o Fenata, que vem para preencher uma lacuna editorial na crítica teatral paranaense”. A obra documenta dez anos de acompanhamento crítico do Festival, com 98 análises relativas a 68 grupos teatrais de quatro regiões do País.

Reginaldo Alves diagramou o livro de Helcio. “Foi uma experiência gratificante. A história dele e do Fenata se confundiam”. O publicitário descreve o amigo como uma pessoa gentil e perspicaz. “Sempre bem humorado, dificilmente você conversaria com ele sem rir, sem falar da sua inteligência privilegiada. Ainda tinha muito a contribuir, pois em toda Conferência Municipal de Cultura ele estava presente, sempre empunhando a bandeira do teatro”, completa.

Enquanto jornalista, Helcio escreveu resenhas e críticas dos espetáculos teatrais de 2003 a 2012, para o jornal Diário dos Campos e para a revista D’Pontaponta. Em 2011, publicou, pelo blog do projeto Cultura Plural críticas sobre as peças encenadas naquele ano no Fenata. O currículo mostra que Helcio era apaixonado pela palavra escrita, pelo teatro e pela arte – em 2003, fez o curso de Roteiro Cinematográfico na Escuela Internacional de Cine y Televisión (EICTV) de San Antonio de Los Baños, em Havana, Cuba. Corroteirizou o média-metragem Tropeiro – Alma Sem Fronteira (2002) e escreveu e dirigiu o espetáculo Estação Saudade: o Reencontro, que cumpriu temporada em Ponta Grossa em 2011. Em agosto de 2013, participou do júri oficial do festival Fetac em Cena, para a Federação de Teatro do Acre, em Rio Branco.

Lembranças

“Ele teve um papel muito importante na vida artistíca e cultural de Ponta Grossa, desde os anos 80, quando fazia teatro com o grupo do Alfredo Mourão”, conta Nelson Silva Junior, diretor de Assuntos Culturais da UEPG. Figura constante nas plateias, Helcio sempre participou dos debates tradicionais ao final das peças do Fenata – na última edição, ocorrida em novembro de 2022, ele esteve presente todos os dias. “A última vez que estive com ele foi quando o diretor Bruno Barreto esteve aqui em Ponta Grossa e o Hélcio, como sempre, tinha uma pergunta instigante”, salienta.

As saudades ficam no coração de Nelson. “Nós ficamos empobrecidos sem o Hélcio nas plateias do Fenata, do FUC e de todo o movimento artístico cultural. Com certeza, uma grande perda para Ponta Grossa e para todas as pessoas que fazem e fluem a arte aqui na cidade”. Helcio deixa um vazio grande para a cena cultural ponta-grossense, segundo o diretor da DAC. “Infelizmente, hoje, mais uma vez, a cultura e a arte de Ponta Grossa estão em luto, é muito triste perder uma pessoa como Helcio Kovaleski”, finaliza.

A vida de Helcio deixou marcas e lembranças. Nas palavras do jornalista e amigo Ben Hur Demeneck, Helcio era “parceiro de Bloomsdays, de conversas vadias e utopias. Aquele que empunhava o violão quando o assunto era cantar Chico Buarque. Aquele que sempre tinha uma avaliação sobre uma peça apresentada no Fenata, aquele que era inimigo das mudanças curriculares do curso de Jornalismo da UEPG. Aquele que fazia trocadilhos como se não houvesse amanhã”, escreveu.

Ben Hur ainda não sabe avaliar a extensão da tragédia e da perda de uma pessoa tão gentil. “O carinho dele pela cultura, por livros, teatro, cinema de autor, por Umberto Eco e Adorno, soavam tão descompassados deste mundo efêmero, volátil e pragmático de hoje. Queria fazer escola com trocadalhos do carilho. E quanto mais sem graça (“esse é infame”), mais contagiante era o riso que seguia seu chiste”, descreve. Em 2023, Helcio retornou à sua casa, o curso de Jornalismo da UEPG, para terminar algumas disciplinas. Ben Hur lecionou para o amigo. “Logo para ele, que era um professor de todos os professores de Jornalismo, ele que gostava de puxar gracejos que lhe jogavam na caricatura de eterno aluno  – havia sido veterano de professores formados nos anos 90 e antes. Podia olhar para egressos como um contador olha para um livro-caixa. Sabia tudo”.

Helcio estava com muitos planos. Além de retomar a graduação durante o dia, pela noite seguia ao Jardim Carvalho para participar de uma especialização em gestão pública. “Só posso dizer que, sem Helcio Kovaleski, o mundo fica menos engraçado, menos cênico e menos crítico. Que ele vá em paz e que Beatriz, Ligiane, pais, parentes e amigos tenham seus corações confortados”, adiciona Ben Hur.

A jornalista Luciane Navarro lembra que, no final dos anos 90, foi aluna de teatro do Hélcio. “Na época, ensaiávamos a Assembleia das Mulheres, de Aristófanes, no Colégio Meneleu”. No momento da partida de Helcio, Luciane lembra do colega de profissão como professor. “Com o tempo, a vida nos levou para caminhos diferentes, mas sempre tive a alegria de encontrá-lo nos lugares de cultura da nossa cidade, que eram também a casa dele”.

No jornalismo e na cultura

Helcio teve reconhecida atuação por mais de quatro décadas na imprensa regional – era colaborador assíduo nos últimos anos do jornal Le Monde Diplomatique Brasil, onde escrevia sobre cultura. Durante a pandemia, ele acompanhou de forma crítica e participativa processo de implementação e regulamentação da Lei Aldir Blanc no estado do Paraná.

O Departamento de Jornalismo da UEPG (Dejor), em nota, destaca que, em 2023, além de voltar a frequentar as disciplinas regulares do curso, Helcio se mostrava animado com a possibilidade da reedição do livro ‘Festival Crítico’. Em 2011, ele escreveu e dirigiu a peça ‘Estação Saudade: o Reencontro’. Com apresentações em escolas da periferia da cidade, a temporada de 19 apresentações chegou a um público de 1,5 mil pessoas. “O texto revelava uma de suas inspirações confessas ao longo da vida, a obra do dramaturgo irlandês Samuel Beckett. Em fins dos anos de 1990, dirigiu uma interpretação em audiovisual do célebre texto “Improviso de Ohio”, do mesmo autor – o que lhe rendeu exibição do vídeo no Festival de Gramado”, conta a nota.

Também no cinema , Helcio chegou a atuar junto à Cooperativa de Cinema e Mídias Digitais de Ventania, acompanhou a produção de longa-metragem na cidade de Castro, produziu documentários e chegou a colaborar com o cineasta Nelson Pereira dos Santos. Ainda segundo a nota do Dejor, Helcio atuou em produtoras de vídeo e em campanhas eleitorais.

“Helcio também ficou famoso pela organização de diversas edições do Bloomsday em Ponta Grossa, tradicional evento literário em homenagem ao clássico Ulysses, de James Joyce. Entre 2005 e 2006, Helcio foi colunista de TV do jornal cultural independente Grimpa. Em seguidas vezes, participou de eventos culturais como debatedor de cinema, conhecedor que era de Kubrick, Bergman, entre outros nomes de referência da sétima arte. O curso de Jornalismo da UEPG lamenta, com pesar, o falecimento e presta condolências a familiares e amigos”.

Em nota, o Centro Acadêmico João do Rio lamentou o falecimento de Helcio e destacou sua contribuição para o curso de Jornalismo da UEPG. “Colaborava com troca de experiência profissional, nos debates, construção e revistas do curso. Helcio fica marcado com seu bom humor, piadas e em ser prestativo com seus colegas de turma e professores”. (Com assessoria)