Fechar
Sábado, 01 de outubro de 2022
Sábado, 01 de outubro de 2022
Ponta Grossa 13/06/2022

Música e emoção marcam retorno presencial aos palcos do 34º FUC

Músicos e plateia se reencontraram presencialmente na noite do último sábado (11), nos palcos do 34º Festival Universitário da Canção (FUC), realizado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa

Ouça a notícia Tempo de leitura aprox. --
Música e emoção marcam retorno presencial aos palcos do 34º FUC

Músicos e plateia se reencontraram presencialmente na noite do último sábado (11), nos palcos do 34º Festival Universitário da Canção (FUC). Realizado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), por meio da Diretoria de Assuntos Culturais da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Culturais (DAC-Proex), o evento reuniu entusiastas da cena musical local, no Cine-Teatro Ópera, para prestigiar doze canções inéditas, show da Banda Blindagem e premiação dos melhores da noite.

“É um momento de reencontro do público com os músicos, mas também entre os artistas. A expectativa é de que esse FUC retome toda a tradição do Festival que tanto orgulha a UEPG”, declara o professor Miguel Sanches Neto, reitor da UEPG. Desde 2019, o FUC busca valorizar o produtor e artista musical local. “É fundamental para uma Universidade Pública que tenhamos festivais que valorizem a cultura local, que deem possibilidade de que a cultura local se fortaleça e é com esse sentido que estamos fazendo este FUC”, completa.

Para a pró-reitora da Proex, Édina Schimanski, o nome ‘Festival Universitário da Canção’ já fala por si, a respeito da importância do evento para a Universidade. “São 34 anos apresentando talentos e revelando nomes, então hoje é uma noite muito especial nesse sentido”, afirma. O evento proporciona alegria não somente para UEPG, mas também para Ponta Grossa, segundo Édina. “Porque é mais uma edição do FUC que se faz na cidade e, depois de dois anos, estamos retornando ao presencial e isso é muito bacana”.

Para a diretora de Assuntos Culturais, Sandra Borsoi, o 34º FUC foi vivido de fato pelas pessoas que estavam no teatro. “Percebemos uma população querendo vivenciar profundamente o Festival”, salienta.

A edição do FUC foi feita para um público diverso. “Pela primeira vez, vi o público cantando junto, vivenciando e apreciando de fato o show”, descreve. A diretora ainda destaca a qualidade das doze canções apresentadas.

“Pudemos perceber que as apresentações foram muito bem pensadas, em figurino, músicas e presença de palco. Acho que isso é resultado do FUC Reverbera e também de artistas querendo contagiar na sua totalidade a plateia”. A qualidade das músicas foi vivida por todas as pessoas presentes no evento, conforme descreve Sandra. “Posso dizer que esse FUC foi um sucesso, o que se dá quando temos uma participação de uma equipe que trabalha em conjunto, que é a equipe da UEPG”.

Artistas

O palco do Ópera recebeu músicas autorais sobe sentimentos e observações dos artistas a respeito da sua realidade. O ‘feminino’ foi o alvo da Vivian, artista que recebeu o prêmio de primeiro lugar.

“A minha canção é um desabafo, uma súplica por atenção para um detalhe, que é suprimir o feminino. Isso diz respeito ao feminino que existe dentro de todos nós, para que todos os seres possam existir e se expressar”, declara. Receber a premiação mais importante da noite significou muita emoção para Vivian, que apresentou a canção ‘Fé menino’. “Eu não esperava, mas só de ter defendido a música já foi uma emoção sem igual”.

A artista já é participante de longa data do Festival. “Desde os meus 16 anos eu participo do FUC e toda edição é uma coisa diferente, o que traz uma emoção muito grande. E a melhor parte é a troca que temos com os artistas, bastidores e equipe técnica”, completa.

A emoção foi dobrada para o artista Scilas, vencedor do segundo lugar e do prêmio concedido pelo júri popular, com a música ‘Acende a Luz do Lampião’.

“É maravilhoso ver que o pessoal do público conseguiu absorver a letra da música, que é inédita e não havia sido apresentada para eles antes. Eles conseguirem absorver a letra e, para mim, é maravilhoso”, conta. Não é a primeira vez que a dobradinha acontece para Scilas. Em 2021, o artista também levou o segundo lugar e prêmio de júri popular.

“Deveriam haver mais festivais como esse e mais apoio a iniciativas como essa.  A produção cultural se elevaria, além de gerar renda e dinheiro. Por isso, o FUC é muito importante para a produção cultural”.

Com a música ‘Silêncio’, o artista Luizinho levou o prêmio de terceiro lugar. O músico já havia participado do Festival ano passado, mas a emoção por ser em um evento presencial foi diferente desta vez. “Com a energia do público, a gente fica muito mais ansioso pelo o resultado, o coração tá a mil, mas agora é só agradecer a galera”, comemora. A sensação de estar no palco fez Luizinho querer repetir a dose. “Foi uma primeira experiência de palco participando como líder banda e foi um divisor de águas, mostrando que posso me desenvolver e posso ir atrás de bons resultados, com pessoas muito boas da cena local”, esclarece. Segundo ele, a música ‘Silêncio’ retrata retrata formas de violência e opressão, além dos efeitos do isolamento. “Quis trazer esse tema, que evitei muito tempo de cantar, mas agora consigo me sentir seguro para falar sobre. É uma nova experiência, uma nova sensação que gostei muito e quero voltar”, ri.

Público

Anderson Santos Costa estava acompanhado da esposa, que está grávida do filho do casal. O momento de acompanhar as apresentações dos concorrentes e da Banda Blindagem foi ímpar para ele.  

“Foi muito especial, eles tocaram as músicas que a gente esperava e nos emocionamos muito durante todo o show. Para mim foi inesquecível”, ressalta. Anderson acompanha a Blindagem desde o final de sua adolescência a aprovou a apresentação do novo vocalista.

“Também vi que o nível foi altíssimo das apresentações dos concorrentes e a partir de agora farei esforço para estar presente em todos os eventos, pois é muito importante prestigiar a cultura do Paraná, valorizando os nosso músicos”.

Amanda Buffara Bueno foi acompanhar a apresentação de sua prima no Festival. “A parte que mais gosto do FUC é justamente o fato de serem canções autorais e, na última vez que vim, foram canções muito boas. Com toda certeza, Ponta Grossa tem um potencial muito rico de cultura que precisamos valorizar cada vez mais”, salienta.

O mesmo sentimento acontece para Paulo Vergara, que acompanha desde 2007 o Festival. “Eu gosto das canções inéditas, das músicas autorais que o pessoal apresenta, é sempre um prazer conhecer músicas novas, por isso estou feliz em voltar a acompanhar o FUC presencialmente, depois de dois anos”, finaliza.

Blindagem

Enquanto os jurados analisavam a apresentações das músicas concorrentes, a Banda Blindagem trouxe a música e arte paranaense para os palcos do FUC. Para a Banda, o 34º Festival Universitário da Canção foi especial, pois marcou três acontecimentos importantes – é o primeiro show pós-pandemia, celebra os 40 anos do primeiro LP (gravado em 1981 e lançado em 1982) e a estreia de Willian Vox, que assume a responsabilidade de vocalista.

“É muita alegria e felicidade de tocar com esses caras, uma banda maravilhosa, ícone do Paraná e da música paranaense. Faltam palavras para expressar a alegria de estar tocando aqui”, comemora Willian.

Fundada no final da década de 70, a Banda Blindagem é referência paranaense do rock. Considerada a banda mais conhecida do Paraná, foi a primeira do estado a conseguir destaque nacional. O guitarrista Paulo Teixeira destaca o momento especial que o FUC marca para a Banda e demais artistas.

“É uma verdadeira riqueza, pois é um momento onde as criações explodem e aparecem, porque é onde os artistas se destacam e aparecem e podem mostrar a sua arte. Estamos muito orgulhosos de participar deste momento”, conta.

O baixista Paulo Juk conta que a pandemia impôs desafios para a Banda. “A gente passou dois anos longe do palco, longe de se encontrar, e tivemos uma grande oportunidade de voltar com um novo vocalista, uma nova história, justamente em Ponta Grossa, que é tão próxima da gente”, explica.

A cidade foi inspiração para a música chamada ‘cheiro do mato’. “Então, nossa ligação com Ponta Grossa é muito forte e estamos muito felizes de estarmos aqui, sendo tão bem recebidos”.

Premiação

Primeiro Lugar: “Fé menino”, de Vivian;

Segundo Lugar: “Acende a Luz do Lampião”, de Scilas;

Terceiro Lugar: “Silêncio”, de Luizinho;

Melhor Letra: “Luz dos Nossos”, de Zero Meia & Swolom;

Melhor interpretação: Lilo, pela canção “Fuga”;

Prêmio Aclamação Popular: “Acende a Luz do Lampião”, de Scilas.

Apoio

O 34º FUC é de realização da UEPG, por meio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Institucional, Científico a Tecnológico (FAUEPG); Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Culturais (Proex); e Diretoria de Assuntos Culturais (DAC). Com patrocínio do Shopping Palladium; promoção da RPC; e incentivo da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, por meio da Secretaria Municipal de Turismo; Conselho Municipal de Turismo; e Ponta Grossa Turística 2026.

O evento acontece em parceria com Scream.me; Estúdio Piralinda; Álamo Balzer Studio; Fluencia; Estratégia Projetos Criativos; Culturação; e Cultura Plural. (Com assessoria)