Fechar
Terça, 30 de novembro de 2021
Terça, 30 de novembro de 2021
Últimas Notícias 22/11/2021

Ministro do TST debate trabalho portuário em seminário na Portos do Paraná

Nesta segunda-feira (22), o ministro Guilherme Caputo Bastos, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), visitou a sede da Portos do Paraná, onde participou do II Seminário sobre Trabalho Portuário

Ouça a notícia Tempo de leitura aprox. --
Ministro do TST debate trabalho portuário em seminário na Portos do Paraná

Nesta segunda-feira (22), o ministro Guilherme Caputo Bastos, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), visitou a sede da Portos do Paraná, onde participou do II Seminário sobre Trabalho Portuário. Organizado pelo Órgão Gestor de Mão-de-Obra do Trabalhador Portuário Avulso (OGMO) de Paranaguá, o evento teve apoio da administração dos portos de Paranaguá e Antonina.

Antes de apresentar a palestra especial, no auditório Emir Roth, no Palácio Taguaré – sede administrativa da empresa pública -, o ministro foi recebido pelo diretor-presidente, Luiz Fernando Garcia.

“É gratificante poder receber o ministro e demais autoridades da Justiça do Trabalho. É também muito importante para que eles possam desbravar esse ambiente tão complexo”, comenta Garcia. Essa participação, segundo o executivo, serve como aprendizado para o judiciário e para os portos “já que é uma oportunidade de colocar o nosso ponto de vista”.

Segundo o executivo, a empresa pública aproveita a ocasião para disseminar o bom entendimento e a boa prática de governança adotada na gestão portuária do Paraná.

Autoridade

O ministro do TST, Guilherme Caputo Bastos, ressalta a importância de debates sobre o tema relacionado à realidade portuária que, segundo ele, é muito diferente das relações de trabalho tradicionais.

“No mundo dos portos nós temos a autoridade portuária, os terminais portuários, os operadores que são os empregadores, mas que contam com o órgão gestor, que também atua como empregador. Enfim, a gente tem que se inserir nesse meio para que as nossas decisões podem ser sempre adequadas”, diz o ministro.

Representante do segmento empresarial, Sérgio Aquino, presidente da Federação Nacional dos Operadores Portuários (Fenop), confirma a complexidade do setor para quem não está inserido.

“Para qualquer segmento que não vive o dia a dia do porto é muito difícil entender como funciona. É por isso que estamos fazendo esse trabalho de fomentar essa aproximação do setor com o judiciário que também traz suas interpretações e visões”, comenta.

Seminário

O II Seminário sobre Trabalho Portuário reuniu, além de representantes do Judiciário, como TST, Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP) e Ministério Público do Trabalho (MPT), os operadores portuários, terminais, OGMO, sindicatos, advogados especialistas da área e Autoridade Portuária.

“O principal objetivo, na realização desse evento, é realmente aproximar esse aspecto jurídico das relações de trabalho portuário com a realidade que a gente vive nos portos”, afirma Shana Carolina Bertol, advogada, diretora executiva do OGMO Paranaguá.

Mostrar a real dimensão do que se decide nas instâncias superiores e os impactos que têm aqui, segundo a advogada, é essencial e gera aprendizado e troca para os dois lados; da justiça e do setor.

Conhecimento

O diretor jurídico da Portos do Paraná, Marcus Freitas, iniciou o evento com um panorama geral da organização jurídica. Segundo Freitas, discutir o tema do trabalho portuário é extremamente relevante porque, apesar dos trabalhadores avulsos geridos pelo OGMO não terem vínculo empregatício direto com a empresa pública, eles atuam sob essa jurisdição.

“Temos que estar sempre conectados no âmbito das decisões do TST e dos tribunais regionais, para que possamos fazer tudo, de mais moderno possível, para que posamos melhorar esse ambiente de trabalho e evitar qualquer tipo de situação prejudicial ao trabalhador”, completa o diretor jurídico.

Na sequência às palestras de Freitas e do Ministro do TST Guilherme Bastos, o seminário foi dividido em dois painéis: “Competência do Ogmo no Fornecimento de Mão-de-obra” e “Contratação com Vínculo de Emprego para o Trabalho Portuário”.

Entre as autoridades do Judiciário, além do ministro do TST, também participaram dos debates o desembargador Celso Ricardo Peel (TRT-SP) e a procuradora do MPT, Flávia Bauler, coordenadora da Coordenadoria Nacional do Trabalho Portuário e Aquaviário (CONATPA). (Com assessoria)