Fechar
Domingo, 28 de fevereiro de 2021
Domingo, 28 de fevereiro de 2021
Política 29/12/2020

Operação Gaeco: Justiça concede prisão domiciliar a empresários da Cidatec

A decisão é do juiz Sergio Luiz Patitucci, da Segunda Vara Criminal

Ouça a notícia Tempo de leitura aprox. --
Operação Gaeco: Justiça concede prisão domiciliar a empresários da Cidatec

Os empresários Alberto Abujamra Neto, Antonio Carlos Domingues de Sá e Celso Ricardo Madrid Finck, da empresa Cidatec e que foram presos na Operação Saturno do Gaeco, deixaram o Complexo Médico Penal nesta terça-feira (29). De acordo com o advogado Alessandro Silvério, que os defende, eles cumprirão prisão domiciliar. A decisão é do juiz Sergio Luiz Patitucci, da Segunda Vara Criminal.

Em seu despacho, o magistrado cita uma decisão do ministro Humberto Martins, que concedeu o habeas corpus ao empresário João Barbiero, também preso na Operação Saturno. A Cidatec é a empresa que venceu a licitação para a implantação do EstaR Digital.

“Assim, em sede liminar, verificando a ocorrência de constrangimento ilegal injustificável, a concessão de liberdade aos paciente Alberto Abujamra Neto, Antonio Carlos Domingues de Sá e Celso Ricardo Madrid Finck se impõe, a conversão da prisão preventiva dos pacientes em prisão domiciliar", assinala.

Nesta terça-feira, o MP apresentou denúncia contra os três empresários, mais o também empresário e comunicador João Barbiero, e o vereador Walter José de Souza, o Valtão, por corrupção ativa e passiva.

Clique AQUI e confira a decisão que concedeu a prisão domiciliar aos empresários na íntegra:

Aos empresários da Cidatec foram impostas as seguintes determinações:

1) indicação do endereço em que cumprirá a prisão domiciliar ora deferida, com possibilidade de acesso antecipado à autoridade policial para aferir suas condições e retirada de toda e qualquer forma de contato exterior;

2) permissão de acesso, sempre que necessário, da autoridade policial;

3) proibição de contato com terceiros, seja quem for, salvo familiares próximos, profissionais da saúde e advogados devida e previamente constituídos;

4) desligamento das linhas telefônicas fixas, entrega à autoridade policial de todos telefones móveis, bem como computadores, laptops e/ou tablets que possua;

5) proibição de saída sem prévia autorização e vedação a contatos telefônicos;

6) monitoramento eletrônico.

(As informações são do Portal aRede)