Fechar
Terça, 18 de janeiro de 2022
Terça, 18 de janeiro de 2022
Política 03/01/2022

Vereadores governistas ou estão na base, ou não estão; votar só projeto sem pressão é fácil

Parlamentares da base governista não podem querer votar com o Governo somente os 'projetos doces', que não geram repercussão. É nos 'amargos' que precisam fazer a diferença

Ouça a notícia Tempo de leitura aprox. --
Vereadores governistas ou estão na base, ou não estão; votar só projeto sem pressão é fácil

Em todo regime democrático, que tem o Executivo, Legislativo e o Judiciário como alicerces do modelo de Governo, é essencial que a independência entre os poderes exista e seja respeitada.

Na relação entre Executivo e Legislativo, os parlamentares têm todo o direito de ocuparem a base governista, assim como a oposição ou até mesmo ficarem "neutros", como alguns preferem e se autointitulam.

O que não é aceitável na política, porém, é se dizer da base e na hora do "vamos ver", no "frigir dos ovos", na hora em que a "onça bebe água", adotar postura contrária ao Governo que, pelo menos em tese, defendem e ajudam a governar.

Querer ser da base e usufruir das benesses que isso gera não é somente para os bons momentos, para votar "projeto doce". É na hora de votar as propostas amargas, mas necessárias para o Governo, é que a base precisa agir de forma incisiva.

Sim, os vereadores da base ajudam a governar, seja pela aprovação dos projetos do Executivo ou na indicação de pessoas de confiança para ocuparem cargos em comissão nas mais variadas esferas da administração municipal. E isso, para o bem ou para o mal, acontece em todas as prefeituras, governos estaduais e governo federal Brasil a dentro. Não é uma realidade apenas de Ponta Grossa.

Aliás, em Ponta Grossa, foi na hora de aprovar o "projeto amargo", "impopular", que tratava da atualização da planta venal dos imóveis, defasafada há mais de duas décadas, e que provoca, sim, injustiça fiscal, é que alguns parlamentares que se diziam governistas roeram a corda. Não aguentaram a pressão política. Mesmo alguns que no papel não são da base, mas que nos bastidores são bem próximos das entranhas da máquina pública, "abandonaram o barco" sem pestanejar.

Horas, ou os governistas estão na base, ou não estão. Simples assim. Não existe meio termo. E se não defendem o Governo que dizem fazer parte, é justo que também deixem de participar de tal Governo. Dentro dessa linha, é que a prefeita Elizabeth Schmidt (PSD) teria renovado parte de sua equipe de Governo para 2022, desligando pessoas indicadas por parlamentares que se mostraram não estar alinhados com a atual gestão, abrindo espaço para pessoas ligadas a parlamentares dispostos a "tomar remédio amargo" na hora que isso for preciso. E pelo que consta, vêm mais exonerações por aí, inclusive, no primeiro escalão. Aguardemos!