Destaques

Profª Rose passa mal depois de ter sido ‘supostamente’ ofendida por George

A vereadora Professora Rose (DEM) passou mal durante a sessão da Câmara desta quarta-feira (08) depois de um desentendimento com o vereador George de Oliveira (Pros). A pressão da parlamentar subiu muito e ela teve que ser atendida pelos colegas parlamentares médicos, Dr. Zeca Raad (PSL) e Dr. Magno Zanellato (PDT). A sessão acabou sendo interrompida pelo presidente da Câmara, Daniel Milla (PSD), para que o atendimento ocorresse.

A discussão aconteceu ainda em virtude do resultado da votação referente à concessão dos terminais de transporte coletivo e do shopping popular, ocorrida na segunda-feira (06). George não reagiu bem à manutenção do veto do Executivo ao trecho do projeto que previa uma licitação a parte para os boxes do “Paraguaizinho”. Ainda na segunda-feira, George e Paulo Balansin (PSD) discutiram depois que o primeiro criticou a postura dos vereadores que mudaram de posicionamento em relação ao tema.

Fora dos microfones

A confusão que levou a vereadora a passar mal começou fora dos microfones do plenário, enquanto o vereador João Florenal Silva (PSD) usava a tribuna da Casa. Na sequência, Professora Rose pediu a palavra em uma questão de ordem é acusou George de a ter ofendido, supostamente chamando-a de “sem vergonha”.

“Senhor presidente eu cansei, não vou mais tolerar sem ofendida por este senhor (…) Eu não devo nada pra ninguém, ando de cabeça erguida e coluna reta”, disse a vereadora, enfatizando que os vereadores “têm que tomar alguma atitude, pois este homem faz tudo o que quer e ninguém faz nada”.

Outro lado

George, por sua vez, pediu uma questão de ordem em que usou a palavra para dizer que a vereadora teria supostamente dito a palavra “jaguara” para também ofendê-lo. Usamos o termo supostamente nesta matéria porque tudo teria sido dito fora dos microfones, em conversa paralela ao discurso que estava sendo feito no momento.

Neste momento da discussão, com o clima já quente, os vereadores Felipe Passos (PSDB) e João Florenal saíram em defesa da vereadora, única mulher entre os 23 parlamentares. Eles criticaram a postura de George.

“Venho aqui pra trabalhar e vejo esse teatro. Aqui ninguém é mais homem que ninguém. Todos temos que ter respeito, e ainda mais com a professora Rose, que é uma mulher digna e merece ainda mais respeito”, afirmou Florenal, enfatizando que a Corregedoria da Câmara, presidida pelo vereador Pietro Arnaud, tem que tomar providência em relação ao comportamento do vereador do Pros.

Na sequência da discussão, foi que a vereadora acabou passando mal e teve que receber atendimento.

Corregedoria

Procurado para se manifestar sobre qual será o procedimento da Corregedoria em relação ao embate na sessão desta quarta-feira, Pietro disse apenas que o órgão só atua se for acionado. “Não tem nada protocolado na Corregedoria, que se manifesta apenas provocada oficialmente, através de vereador ou partido político”, expôs o corregedor geral.

Até o momento da publicação desta matéria não havia a informação de que qualquer denúncia foi protocolada na Corregedoria.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail, website ou empresa não serão publicados.

Confira outros Posts