Destaques

Governo injeta quase R$ 6 bilhões na economia paranaense até o Natal

Entre 29 de novembro e 23 de dezembro o Governo do Estado vai injetar quase R$ 6 bilhões na economia paranaense. O valor se refere somente à folha de pagamentos dos servidores públicos. Por determinação do governador Carlos Massa Ratinho Junior o décimo terceiro foi antecipado para o próximo dia 4 e os vencimentos de dezembro e o terço de férias para o dia 23. Nesta sexta-feira (29) foi depositado o salário de novembro.

Cada um das três folhas salariais que o Estado vai liberar nas próximas semanas é de R$ 1,83 bilhão, para pagamento de 300 mil servidores ativos, aposentados e pensionistas. A gratificação de férias em dezembro atende principalmente o magistério estadual, maior quadro da administração pública do Paraná. “Esses recursos ajudam o servidor a organizar o final do ano e vão potencializar o comércio”, destaca Ratinho Junior.

O governador ressalta que a antecipação dos pagamentos ocorre em razão do cuidado com as contas públicas. “Isso só acontece graças à organização financeira do Estado, que estamos levando de uma forma muito rígida”, explicou o governador, lembrado os cortes feitos na estrutura do Estado ao longo de 2019 e também a redução nos gastos de custeio da máquina.

Movimento

A medida adotada pelo governo estadual foi bastante elogiada por diversas associações comerciais do Paraná por significar um incremento importante na economia, ajudando a gerar emprego e renda nas mais diversas regiões do Estado.

Presidente da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG), Douglas Fanchin Taques Fonseca, ressaltou que a iniciativa vai além de colaborar com o aumento no movimento de diversos setores, como o comercial e de serviços.

Para ele, significa uma ótima oportunidade também para os consumidores. “Com dinheiro no bolso podem fazer melhores negócios. Um estímulo muito importante que gera bons negócios para a cadeia econômica toda”, disse.

Rodrigo Rosalem, dirertor de planejamento e gestão da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), reforçou o caráter social das antecipações dos pagamentos.

“Teremos um impacto muito interessante na economia, seja por um dinheiro a mais para fazer compras ou para pagar dívidas”, explicou. “Lembrando que ao usar o dinheiro extra para pagar dívidas, o consumidor volta a ter crédito para poder comprar novamente”, acrescentou.

Fundamental

As associações de Maringá preveem que a iniciativa do governo estadual significará um Natal para o comércio melhor do que foi o ano passado. Estimativas apontam um aumento nas vendas na ordem de 2%.

“Há uma recuperação econômica em toda a região de Maringá, com um grande número na geração de empregos. Teremos maior giro e uma excelente perspectiva para o fim do ano”, afirmou Michel Felippe Soares, presidente da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM).

“Essa ação do Governo do Estado é de fundamental importância. Não só pelo dinheiro direto, o ativo maior em circulação, mas por mostrar que a administração do Paraná está sendo muito bem feita”, completou José Roberto Mattos, presidente do Conselho de Desenvolvimento de Maringá (Codem).

Preço menor

Presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Gláucio José Geara, lembrou de outra ação tomada pelo Governo do Estado que também terá influência direta no comércio paranaense.

Segundo ele, a mudança no sistema de tributação de mais de 60 mil itens alimentícios com a retirada da Substituição Tributária e da consequente cobrança antecipada do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) terá reflexo na diminuição do preço de uma série de produtos alimentícios.

“A produção e comercialização de alimentos terá um impacto muito grande no Paraná, não tenho dúvida. A mesa do paranaense será mais farta neste fim de ano”, disse Geara. Dados da ACP indicam crescimento da economia do Estado no período na ordem de 2,8%.

Pesquisa aponta prioridades do paranaense para o 13º salário

Pesquisa elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) aponta que a principal destinação do 13º salário pelos paranaenses será para quitar dívidas: 29,3% dos entrevistados utilizarão o abono anual para saldar seus débitos. Essa parcela é menor do que no ano passado (33,3%).

Para mais de 28% dos entrevistados o recurso extra será utilizado para compras (14,7%) e viagens (13,7%). Outra parte considerável de paranaenses (23,7%) planeja utilizar o dinheiro adicional para fazer uma reserva financeira. Por fim, 5,7% afirmam que vão utilizar a gratificação para o pagamento de impostos e taxas.

Os que não sabem ou não responderam somam 14,3% e os que não estão empregados e, portanto, não terão direito ao 13º salário, correspondem a 10,7% dos entrevistados. (Com assessoria)

Confira outros Posts