Destaques

Prefeitura garante acesso à rede assistencial para o CEJUSC

A Fundação de Assistência Social (Faspg), através da presidente Simone Kaminski, fechou parceria com o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). A partir de agora, as pessoas atendidas pelo Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania da Comarca de Ponta Grossa (CEJUSC/PG) contarão com acesso aos serviços da rede assistencial da cidade de forma facilitada. A assinatura do Acordo de Cooperação para instalação da Central de Medidas Socialmente Úteis foi realizada na tarde de terça-feira (13) e contou com a presença da vice-prefeita, Elizabeth Schmidt.

A parceria garantirá que todos os serviços realizados pelos Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e dos Centro de Referência especializado de Assistência Social (Creas) sejam de fácil acesso quando encaminhados pelo CEJUSC.

“A Faspg entrará nesta parceria no sentindo de colaborar nos atendimentos as pessoas que cumprirão as medidas determinadas pela Justiça. Por exemplo, se necessitarem de Cadastro Único, o Cras estará disponível, se precisar de um dos serviços dos Creas, também terá acesso. A iniciativa servirá para auxiliar no atendimento a essas pessoas e suas famílias”, explica Simone.

Para o serviço público municipal é mais uma forma de garantir o acesso a rede assistencial para os que mais necessitam. “É uma satisfação fazer parte deste trabalho entre a Faspg e o Tribunal de Justiça do Paraná para a execução de gestão da política de alternativas penais sob o enfoque das práticas restaurativas e do acompanhamento em rede”, destaca vice. O programa acontecerá na Central de Medidas Socialmente Úteis, junto a sede do CEJUSC.

Serviços

Os trabalhos realizados nos Cras são diretamente para as famílias em vulnerabilidade social. São feitos desde cadastro no CadÚnico, PAIF (Serviço de Proteção Integral à Família), atendimentos, acompanhamentos e orientações sobre programas, serviços e benefícios da assistência social.

Já os Creas atendem famílias e pessoas que estejam em situação de rua ou que estão em situação de risco social ou tiveram seus direitos violados, como por exemplo, famílias e indivíduos em situação de risco pessoal e social, com violação de direitos, como: violência física, psicológica e negligência, violência sexual, afastamento do convívio familiar devido à aplicação de medida de proteção, situação de rua, abandono, trabalho infantil, discriminação por orientação sexual e/ou raça/etnia, descumprimento de condicionalidades do Programa Bolsa Família em decorrência de violação de direitos, cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto de Liberdade Assistida e de Prestação de Serviços à Comunidade por adolescentes, entre outras. (Com assessoria)

Confira outros Posts