A governadora Cida Borghetti lançou nesta terça-feira (26) o Programa de Atenção ao Autismo voltado às pessoas com autismo e suas famílias. Coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde o programa prevê a capacitação internacional dos profissionais da Rede Pública do Paraná, de pais e cuidadores, cadastro da pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e a realização do censo.

A iniciativa é a primeira do Brasil, que será o 30º país a receber o programa. Curitiba será de pioneira ao servir de piloto para o programa, que será ampliado aos poucos a todos os 399 municípios paranaenses. O objetivo, afirmou a governadora, é ampliar o olhar para pessoas e melhorar a qualidade de vida delas e de seus familiares. “Queremos crianças bem assistidas e que tenham mais oportunidade. Estamos iniciando um projeto de sucesso que possibilitará aos pais e educadores um conhecimento muito maior”, disse Cida.

Objetivo

O secretário da Saúde, Antônio Carlos Nardi, destacou que o objetivo é que nos próximos cinco anos todas as famílias com crianças com autismo entre 2 a 9 anos de idade, sejam impactadas pelo projeto. “Vamos começar com o programa em Curitiba e levá-lo aos demais municípios, gradativamente. Queremos unificar protocolos e uniformizar o atendimento. Aos poucos vamos fazer do Paraná uma referência no tratamento, estimulando e integrando as pessoas com autismo”, disse o secretário. O Programa conta com a parceria da Organização Mundial da Saúde.

Melhorar a vida das pessoas em áreas que elas mais precisam é a grande prioridade do Governo do Estado, disse a governadora. “Nosso modo de governar é olhando para as pessoas de igual maneira e priorizando ações em todos municípios do Paraná, principalmente em localidades que mais precisam da mão do Estado.”

Referência

O Centro Regional de Atendimento Integrado ao Deficiente – Craid, unidade própria do Estado, será o serviço de referência estadual para avaliação, diagnóstico diferencial e intervenção terapêutica das pessoas com TEA e apoio para serviços e profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS).

O programa conta com o apoio da Secretaria de Estado da Saúde no projeto-piloto em Curitiba para a formatação de um modelo próprio e aplicação da metodologia OMS – Autism Speaks.

Capacitação e protocolo

De acordo com o secretário da Saúde, Antônio Nardi, os profissionais do The Scott Center for Autism Treatment, da Florida Institute of Technology (EUA), vão capacitar e fazer a tutoria para formar multiplicadores. Assim, será possível detectar precocemente o manejo clínico e a condução dos casos, além do acompanhamento das famílias.

Para o diretor do Craid, Lean Fontain Franco, com o Governo do Paraná dando esse apoio será possível ter mais profissionais para tratar as crianças autistas. “De agora em diante vamos ampliar o atendimento com multiprofissionais, temos mais uma psicóloga para dar atenção aos pais, neuropediatra, psiquiatra, oftalmologista, dentista. A nossa farmácia está se transformando em unidade do programa Farmácia do Paraná e teremos um protocolo da medicação para a criança com autismo”, afirmou.

Avanço

Para a criadora do Grupo de Apoio às Famílias de Autistas do Paraná, Fernanda Rosa, que é mãe de duas crianças com autismo, esse programa é um avanço que levará um atendimento de qualidade a todos as famílias, principalmente as mais carentes. “As mães extremamente carentes serão muito beneficiadas. A partir desse momento elas vão contar com tratamento de qualidade para seus filhos”, disse Fernanda Rosa.

Atendimento uniformizado

Por meio do curso internacional que capacitará equipes multiprofissionais, pais e cuidadores, será possível um atendimento uniformizado na Rede Pública de Saúde. O investimento do Governo Estadual para a capacitação é de R$ 2, 7 milhões, o que inclui material e professores do centro de referência mundial no tratamento do autismo, o The Scott Center for Autism Treatment, da Florida Institute of Technology.

A analista de comportamento, Amanda Bueno, foi uma das idealizadoras do projeto para trazer a capacitação dos profissionais por meio do curso de Análise do Comportamento Aplicada (Applied Behavioral Analysis – ABA, ao Paraná. Ela disse que a ideia é buscar tratamento efetivo para o autismo e trazer ABA para o Brasil, que se mostrou eficiente para tratar as pessoas com autismo.

“Através da ciência a gente consegue dar para o indivíduo o poder de ser independente, essa é a intenção. Quando descobri que o meu projeto, que começou na universidade, poderia ser levado para ajudar as pessoas eu recorri ao governo. Tivemos apoio da governadora ainda antes de ela assumir o cargo”, afirmou. Amanda disse que a ideia é criar um centro de referência de treinamento de profissionais. “Cerca de três mil servidores serão treinados e uma parcela deles treinarão outros. Depois o Paraná será dono da tecnologia, nós faremos uma transferência de tecnologia vitalícia do método ao Estado”, disse Amanda.

O convênio terá a duração de dois anos. A formação é voltada a profissionais de saúde (médico, psicólogo, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, enfermeiro, técnico de enfermagem, assistente social, cirurgião-dentista) e gestores do SUS, tutores, professores, cuidadores e pais de pessoas com autismo.

Cadastro

O programa inclui o cadastro da pessoa com TEA, que norteará as ações e a elaboração de políticas públicas para esta área. O cadastro está disponível no site da Secretaria de Estado da Saúde.

Atualmente são 312 serviços especializados que atendem as pessoas com deficiência intelectual e autismo no Paraná (aproximadamente 300 serviços são Apae).

Presenças

Participaram do lançamento do programa o secretário da Cultura, João Luiz Fiani; a secretária da Saúde de Curitiba, Marcia Huçulak; os deputados federais Ricardo Barros, Aliel Machado e Osmar Serraglio; os deputados estaduais Maria Victória, Péricles de Mello e Márcio Pacheco; e o vereador curitibano Pierpaolo Petruzziello.

Confira outros Posts