Política Ponta Grossa

Presidente da ACIPG nega defesa à ditadura, mas reitera apoio ao general Mourão

Diante da repercussão no meio político e nas redes sociais da carta pública encabeçada pela Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG), favorável à intervenção militar no país como forma de combate à corrupção, o Doc.com solicitou, nesta segunda-feira (09), à assessoria de comunicação da ACIPG uma manifestação da sua diretoria, que foi enviada assinada pelo presidente, o empresário rural Douglas Taques Fonseca.

Nela, Fonseca ressalta que o posicionamento não é favorável a nenhum regime de exceção, mas reafirma que, diante de um cenário de “caos”, “o Exército Brasileiro seria o órgão que estaria respaldado pela Constituição Federal para conter este caos”.

Confira a nota na íntegra.

Posicionamento ACIPG repercussão coluna –  General Mourão 

Não acreditamos, nem apoiamos qualquer tipo de regime de exceção, principalmente as ditaduras, nem de esquerda, nem de direita.

O que entendemos é que se os nossos políticos e o nosso poder judiciário, não tiverem competência de resolver os absurdos e a corrupção em nosso país, ocorrendo a falência das instituições civis, o Exército Brasileiro seria o órgão que estaria respaldado pela Constituição Federal para conter este caos.

Torcemos para que os políticos, que representam o povo consigam fazer o dever de casa e não seja necessária uma intervenção militar. No entanto, se isso não ocorrer, não vejo outra saída.

Sendo assim, nestas condições, apoiamos o posicionamento do general Mourão.

Douglas Fanchin Taques Fonseca

 

Acesse ainda:

Vereadores criticam de entidades favoráveis à intervenção militar

Aliel Machado repudia apoio da ACIPG pró-intervenção militar

Sugerida por Péricles, moção de repúdio às entidades pró-intervenção militar é aprovada na ALEP

Confira outros Posts