Ponta Grossa

Opinião: Autoridades precisam acabar com comércio irregular no Centro de PG

Há alguns dias, a Guarda Municipal realizou uma operação no Centro de Ponta Grossa, mais precisamente na região do Calçadão da Coronel Cláudio e da Rua Fernandes Pinheiro, por solicitação da Secretaria de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, para fiscalizar e combater o comércio ilegal em via pública – ver matéria.

Trata-se de uma ação louvável, mas que precisa ser feita com mais frequência, por que não diariamente? Sim, pois é visto aos olhos de todos que passam por essa região que a maior parte do comércio ambulante é irregular. Ou alguém acha que os CDs e DVDs, ou talvez os cigarros vendidos, têm procedência lícita, com nota fiscal?

A resposta para essa pergunta é não. O material é origem de pirataria ou contrabando, o que precisa ser combatido com veemência. Uma cidade do porte de Ponta Grossa não pode aceitar que esse tipo de comércio aconteça. Primeiro, por ser ilegal. Segundo, por ser uma injustiça com os comerciantes que estão regulares e pagam seus impostos corretamente. Terceiro, porque é dever do Município zelar pelo cumprimento das leis. Isso é o básico do Estado Democrático de Direito.

Ações conjuntas

Dessa forma, é preciso haver ações conjuntas do Município, através da Guarda Municipal, do Estado, via Polícia Militar, e da União, com a participação da Receita Federal, para acabar com o comércio irregular em Ponta Grossa. Ao Legislativo, através dos vereadores, e ao Ministério Público, é necessário que cobrem as autoridades a combater este mal.

A situação acaba passando batida pelas autoridades, na maioria das vezes, e incomoda grande parte da população que frequenta o Calçadão e a Rua Fernandes Pinheiro. Além da ilegalidade da situação, deixa a cidade feia e com o ‘cheiro’ de complacência no ar. Aliás, existe um projeto muito interessante por parte da Prefeitura, para revitalizar o chamado Quadrilátero Histórico de Ponta Grossa, que compreende a Rua Fernandes Pinheiro, e que vem rendendo bons resultados. Porém, dentro dessa perspectiva é fundamental que o comércio irregular seja extinto e a ordem reine em nossa cidade.

Para as pessoas que praticam o comércio irregular, é preciso que procurem a Prefeitura e regularizem sua situação. Já para aqueles que vendem produtos pirateados ou contrabandeados, o Cadeião do Santa Maria precisa ser o destino. Outra questão a ser lembrada é que, quem compra os produtos ilegais, também ajuda a financiar o crime.

Eduardo Farias, editor.

Confira outros Posts