Política

Paraná se une a São Paulo para oferecer uma nova opção de turismo sustentável

Governador Beto Richa e Geraldo Alckmin, de São Paulo, lançam o projeto Angra Doce, em Ribeirão Claro, Norte Pioneiro do Paraná | Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Os governadores Beto Richa e Geraldo Alckmin (SP) assinaram nesta sexta-feira (3), em Ribeirão Claro (PR), um protocolo de intenções para estruturar as ações turísticas na região de Angra Doce, que está localizada no entorno da Usina Hidrelétrica de Chavantes, na confluência dos rios Paranapanema e Itararé, na divisa entre os estados do Paraná e São Paulo.

Com o protocolo, a região do Angra Doce passa a ser formalmente reconhecida como área de especial interesse turístico. O objetivo é utilizar o turismo para promover o desenvolvimento sustentável integrado da região, aliado à conservação dos recursos naturais, fomento da economia local, geração de emprego e renda e melhoria da qualidade de vida da população, elevando o IDH-M da região.

“É um projeto muito completo e abrangente, que atende tanto a questão turística, que vai gerar muito emprego e renda para a nossa população, e ainda vai preservar o nosso meio ambiente. Isso certamente vai mudar o perfil econômico e social dessa importante região do Paraná e de São Paulo”, disse Richa.

União

O governador também lembrou da importância da união de dois grandes estados para o desenvolvimento de um projeto. “Ao trabalharmos juntos, damos mais força ainda às propostas. A última vez que o governo de São Paulo e do Paraná se reuniram foi em 1984, quando os governadores José Richa e André Franco Montoro criaram o Estuarino-Lagunar de Iguape-Cananéia para preservar a Mata Atlântica, que ainda está intocada na região.”

O governador de São Paulo, Geraldo Alckimin, reforçou, também, a importância da parceria. “É uma boa parceria entre dois estados irmãos, unidos pelas águas do Paranapanema. Vamos trazer empreendedores para a região, promover esporte náutico, pesca e trazer hotéis em um lugar cheio de belezas naturais perto de Curitiba e de São paulo, promovendo sempre o turismo, que hoje é uma das fontes de emprego e renda”, disse.

Foto: Arnaldo Alves/ANPr

Projeto

O projeto de Angra Doce engloba 15 municípios situados no entorno da usina. A região é propícia para a prática de vários esportes, como rafting, canoagem, trekking, asa delta, parapente, equitação e pesca esportiva. Além disso, também possui cachoeiras, trilhas, praias artificiais e lugares históricos, como a ponte pênsil Alves de Lima, que foi destruída durante a Revolução Constitucionalista de 1932 e reconstruída quatro anos mais tarde.

Tombada pelo Patrimônio Histórico, é a única ponte pênsil do Brasil com o piso e as laterais revestidos em madeira.

A assinatura da parceria teve a presença de representantes do governo federal e de secretários de estados das pastas diretamente envolvidas no projeto, além de lideranças regionais políticas, empresariais, de universidades e da sociedade civil organizada.

“Com a assinatura desse pacto interestadual haverá muitos investimentos aqui na região que nos darão condições para atender e recepcionar os turistas”, disse o prefeito do município paranaense de Ribeirão Claro, Mário Pereira.

Interesse turístico

Cinco municípios do Paraná (Carlópolis, Jacarezinho, Ribeirão Claro, Salto do Itararé e Siqueira Campos), e dez de São Paulo (Barão de Antonina, Bernardino de Campos, Canitar, Chavantes, Fartura, Ipaussu, Itaporanga, Piraju, Ourinhos e Timburi) serão impactados pelas ações em Angra Doce.

O plano de desenvolvimento sustentável da região inclui proteção ambiental com utilização de energia limpa, reciclagem e reutilização de materiais; adoção de políticas públicas inclusivas e redistributivas; incentivo à economia criativa, à valorização da cultura e gastronomia local e respeito aos direitos humanos.

A proposta, que é chancelada como projeto inovador pelo Programa Cidades da Organização das Nações Unidas (ONU), é montar uma governança envolvendo vários setores dois estados, envolvendo secretarias de governo, universidades e sociedade civil.

“Belezas naturais, tranquilidade, lazer, turismo, tudo isso com sustentabilidade e economia pujante. Oferecer mais esta opção de turismo baseado no desenvolvimento sustentável da região é o objetivo dos governos do Paraná e de São Paulo e toda a comunidade da região do Angra Doce”, destacou o secretário de Planejamento e Coordenação Geral do Paraná, Cyllêneo Pessoa Pereira Junior, cuja pasta está capitaneando o projeto no estado.

Projetos estruturantes

As ações estruturantes imediatas focam em capacitação de agentes e de mão de obra para o turismo, apoio ao empreendedorismo e à instalação de micro e pequenas empresas locais; coleta seletiva, reciclagem e educação ambiental; criação de reservas legais, manejo adequado na produção agrícola e na produção de orgânicos; monitoramento da qualidade da água dos rios que abastecem a represa de Chavantes; incentivo à formação de arranjos e cadeias produtivas locais sustentáveis; apoio à piscicultura; ordenamento territorial para instalação de novos empreendimentos da indústria do turismo, entre outras.

A médio e longo prazo, estão previstos projetos de infraestrutura nas rodovias, de melhoria dos serviços de telecomunicações e também de instalações públicas de apoio ao turismo, como por exemplo, adequação urbanística das praias e áreas públicas da região, incluindo áreas de acampamento, albergues, hotéis, restaurantes e lojas.

Foto: Arnaldo Alves/ANPr.

Soltura de peixes no reservatório da UHE Chavantes

A CTG Brasil fez a soltura de peixes no reservatório de Chavantes, hidrelétrica sob a sua concessão, no Rio Paranapanema. Ao todo, 20 mil alevinos das espécies lambari, curimbatá, piapara serão soltos.

O diretor de Operações e Meio Ambiente da CTG Brasil, Carlos Alberto Dias Costa, informa que o local de soltura (píer da marina) foi selecionado por oferecer boas condições de alimentação natural e refúgio para os peixes, os quais a partir desse ponto, vão se dispersar pelo reservatório. Para o transporte de peixes serão utilizadas sacolas plásticas e, para a soltura, puçás.

Desde 1999, mais de 25 milhões de novos peixes foram soltos nos reservatórios do rio Paranapanema, contribuindo para a reposição do estoque pesqueiro e manutenção da biodiversidade na região.

IAP entrega licença para marina na represa de Chavantes

O governador Beto Richa e o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Luiz Tarcísio Mossato Pinto, assinaram nesta sexta-feira (3) a Licença Ambiental de Operação de Regularização para a Implantação de estruturas náuticas para o Tayayá Resort, localizado na represa de Chavantes, em Ribeirão Claro.

A licença foi entregue durante cerimônia de assinatura do Protocolo de Intenções entre os governos do Paraná e de São Paulo para o desenvolvimento do Projeto Angra Doce.

O documento autoriza o funcionamento de uma estrutura com 22 vagas secas, 30 vagas molhadas, dois atracadouros, área coberta para garagem, pátio descoberto, pista de lavagem e ainda estação de tratamento de esgoto sanitário. Além do estabelecimento, a marina pode atender todo o complexo turístico da região de Angra Doce.

O presidente do IAP destacou que o órgão apoia a implantação de marinas e empreendimentos náuticos coletivos, desde que sejam respeitadas as leis ambientais. “Devemos privilegiar a ação coletiva com a regularização de marinas comerciais ou associativas, para inibir ações individuais que podem poluir ou causar estragos no bioma aquático, além de acentuar o processo de erosão e o assoreamento da represa”, explicou Tarcísio. (Fonte: ANPr)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail, website ou empresa não serão publicados.

Confira outros Posts