Política

PPS fecha questão para candidatura de Marcelo Rangel à reeleição

Rangel PPSO prefeito Marcelo Rangel será o candidato à reeleição para Prefeitura de Ponta Grossa pelo Partido Popular Socialista (PPS). A informação parece óbvia, mas havia uma possibilidade de bate-chapa dentro da sigla com o atual vice-prefeito, Dr. Zeca. Possibilidade essa que foi descartada durante reunião do partido realizada na última quinta-feira (14) na Câmara Municipal. Os filiados decidiram que a nova candidatura de Rangel é o melhor caminho a trilhar nestas eleições municipais. Assim, Dr. Zeca tentará o terceiro mandato como vereador.

O impasse interno no PPS ocorreu depois do descontentamento do presidente estadual, deputado federal Rubens Bueno, com a saída do irmão do prefeito, o também deputado federal Sandro Alex, que deixou o PPS para ingressar no PSD. Depois disso, Dr. Zeca fez o caminho inverso, saindo do PSD e entrando no PPS, no último dia para filiação daqueles que serão candidatos. Ato que pegou os pepessistas de surpresa e desde então existia a especulação em cima de um bate chapa para escolha do candidato a prefeito. Especulação superada durante a reunião da semana passada.

O PPS ainda não marcou a sua convenção, mas deve consolidar uma grande aliança, com partidos que já estiveram com Rangel em 2012, como o DEM, PSDB, PSB, PSD e o PSC. Alguns estão em fase final de adesão, como o PRB, o PP e o PROS. Além desses, mais siglas ainda podem passar a integrar essa coligação. A vice de Rangel deve ser a ex-secretária de Administração, Elizabeth Schmidt, com o aval do deputado estadual Plauto Miró Miró Guimarães (DEM).

Proporcional tem nomes fortes

Na proporcional, as coligações entre esses partidos ainda não estão fechadas. É possível que o PPS se alie ao PSDB, com uma chapa que contará com nomes fortes concorrendo entre si, como o vereador Rogério Mioduski, o próprio vice-prefeito Dr. Zeca, mais o ex-diretor da Funepo, Guilherme Pikunas e o ex-gerente da Agência do Trabalhador, Rudolf Christensen.

Estes todos do PPS, enquanto no PSDB estão o ex-presidente da AMTT, Eduardo Kalinoski, e também o estudante Felipe Passos, que sobreviveu a um assalto quando coordenava a viagem de um grupo de jovens católicos para a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, em 2013, com a presença do Papa Francisco, e hoje está em uma cadeira de rodas. Ele aparece bem em algumas pesquisa de opinião e pode surpreender. A chapa pode eleger de dois a três vereadores.

Confira outros Posts