Política

Incompetência levou o país a uma crise social, diz Marina Silva em PG

Marina Silva em PG
Marina Silva durante entrevista coletiva no Hotel Planalto | Foto: Divulgação

O país vive um momento delicado, com uma crise econômica e política que já se configura em uma crise social muito grande. A declaração é da ex-senadora e ex-candidata à Presidência, Marina Silva, que esteve em Ponta Grossa nesta sexta-feira (19) para participar de um encontro regional da Rede Sustentabilidade. Ela atendeu à imprensa local à tarde, no Hotel Planalto, e esteve no encontro partidário à noite, no Espaço Ponta Grossa.

Ela justifica a declaração com base nos números do desemprego, no aumento da inflação e dos juros e a consequente incapacidade das famílias em manter a qualidade de vida. Tudo isso ocasionado pela incompetência da atual administração federal, através do Governo petista de Dilma Rousseff.

Desemprego

Segundo Marina, mais de 9 milhões de brasileiros já perderam seus empregos e mais 4 milhões devem perder o emprego neste ano, conforme perspectivas de especialistas da área. “Atrás de cada emprego tem de três a quatro pessoas. Assim, o contingente é grande de pessoas que perderam o sustento de suas famílias”, disse.

A líder da Rede ressaltou ainda que a inflação voltou a subir de forma assustadora, com juros elevadíssimos, o que faz com que as famílias fiquem endividadas. E o cenário ainda piora por conta da falta de perspectiva para a retomada do crescimento e do desenvolvimento do país.

Dobrar o esforço

Por outro lado, Marina expõe que ao invés de ficar triste com a situação, é preciso dobrar o esforço no trabalho e no compromisso para tirar o país desse quadro preocupante. “O que está acontecendo conosco, não é fruto de uma guerra, de uma catástrofe natural. Nada que estivesse acima de nossas forças. Foram erros cometidos por nós mesmos, incompetências e falta de compromisso que levou o Brasil a esse estado crítico que se encontra”, afirmou.

“A Rede nasce num contesto difícil, em que o povo tem profunda descrença nos políticos, nos partidos e em grande parte das instituições, com raríssimas exccessões, como o Ministério Público, parte da Justiça e a Polícia Federal. Não somos os donos da verdade. Eu costumo dizer que a verdade não está com nenhum de nós. A verdade está entre nós”, explicou Marina, enfatizando que a Rede não é nem vermelha e nem azul, fazendo uma alusão à situação e à oposição no cenário político nacional.

Marina em PG 2
Marina Silva n o encontro regional da Rede Sustentabilidade, no Espaço Ponta Grossa | Foto: Divulgação

Críticas ao PT

Marina foi sempre polida e lúcida em suas falas, mas não faltaram críticas ao PT, partido em que esteve até 2009 e que ajudou a fundar no Acre, seu Estado natal. Porém, partido que foi adversária em duas eleições para a Presidência e que não transparece ter nenhuma saudade. Nesse momento em que as críticas aos petistas estão a todo vapor, Marina enfatizou que não irá mais ‘endeusar’ nenhum partido.

“Não vou mais sacralizar mais nenhum partido. Aliás, não devemos nem sacralizar e nem demonizar nada. Partidos são instituições criadas por pessoas, e pessoas falham. Pessoas virtuosas devem se esforçar a fazer instituições virtuosas. E instituições virtuosas devem existir para corrigir as pessoas quando elas falharem em suas virtudes”, comentou Marina, emendando que a maioria dos filiados à Rede são pessoas jovens, como o deputado federal Aliel Machado, que trocou o PCdoB pela nova legenda e que foi o anfitrião da estada da presidenciável em Ponta Grossa.

Além de Aliel, acompanharam Marina em Ponta Grossa os três vereadores da Rede na cidade: Pietro Arnaud, Antônio Aguinel e Amauri Manosso.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail, website ou empresa não serão publicados.

Confira outros Posts